Hoje resolvi falar um pouco do que considero a responsabilidade de aprender os pontos cantados da Umbanda. Posso lhes garantir que uma das coisas que mais gostei nos primeiros dias, foi a procura por músicas que minha casa cantava. Se você é médium recente, aconselho aprender o máximo de músicas que sua casa cante, e daí aprender outras. Mas aprender as músicas do seu centro é essencial para um bom desenvolvimento, na minha humilde opinião.

Pegando o dia em que não sabia nenhuma música e o seguinte, que já sabia pelo menos cinco como comparação, posso dizer que a gira se transformou. Ganhou vida aquelas músicas, imagens apareciam em minha cabeça, e assim, a sensibilidade tomou conta de mim. Como num passe de mágica, senti Ogum, o guerreiro, mais presente, entendi a leveza da cigana, com suas rodadas de saia.

Eu lhes digo que, por mais que ainda não entenda totalmente os motivos, o ponto cantado da primeira entidade em que comecei a incorporar na última sessão foi o que mais me ajudou. Afinal, incorporar não é uma coisa fácil no início, como todos médiuns mais experientes falam, e toda ajuda extra é bem vinda. Então porque não aprender, é prestar um serviço também bater palma e cantar, isso ajuda a egrégora ali formada e auxilia no transe mediúnico.

Hoje, com um tempo curto ainda de casa, continuo a buscar músicas e aprender um pouquinho mais a cada dia, assim consigo tentar fazer um papel que considero o mínimo para auxiliar na construção de uma boa gira. Cante, não tenha vergonha, se divirta cantando, isso além de te deixar mais relaxado em uma gira, também lhe mostra o habitat das entidades, te aproximando delas.

Finalizando, gostaria de pedir que todos que tenham fontes interessantes onde possam achar letras com pontos cantados, que envie, isso pode ajudar outros.

Saravá.